24 de fevereiro de 2024

A última vez

Riso, lágrimas,
tecido…

Assim,
em risos, despediu-se

Nem
falou, não precisava, era amor!

O amor
se fez nos dias, nos tecidos

E se
foram os dias…

Você
ficou, partiu e existe em mim

E volta
quando meu coração transborda

Quando
meus olhos buscam

Quando
procuro ar

Tudo
para dizer que a última vez é única

Deixou
marcas e um silêncio profundo

Deixou-me
sem e com respostas

Pois
quando busco razões, encontro o amor em mim

Ainda
bem que eu sei que o amor nos umedece, irriga e nos traz vida

Ali, na
última vez, o amor se fez

Você
partiu!

Partiu
meu coração em pedaços e me compôs do que já sabia

Que
ninguém chora sem razão e dissimula com risos

Ninguém
se afeiçoa sem abraços e sem o sentido da aproximação

Por isso
que agora e sempre, só você no meu coração

 

Nilson
Ericeira 

Riso, lágrimas,
tecido…

Assim,
em risos, despediu-se

Nem
falou, não precisava, era amor!

O amor
se fez nos dias, nos tecidos

E se
foram os dias…

Você
ficou, partiu e existe em mim

E volta
quando meu coração transborda

Quando
meus olhos buscam

Quando
procuro ar

Tudo
para dizer que a última vez é única

Deixou
marcas e um silêncio profundo

Deixou-me
sem e com respostas

Pois
quando busco razões, encontro o amor em mim

Ainda
bem que eu sei que o amor nos umedece, irriga e nos traz vida

Ali, na
última vez, o amor se fez

Você
partiu!

Partiu
meu coração em pedaços e me compôs do que já sabia

Que
ninguém chora sem razão e dissimula com risos

Ninguém
se afeiçoa sem abraços e sem o sentido da aproximação

Por isso
que agora e sempre, só você no meu coração

 Nilson
Ericeira