22 de fevereiro de 2024

Nem pão nem circo

Nem pão  nem circo
Dêem-me pão 
Dêem-me circo
Mas não somente pão 
Nem somente circo
Dêem-me dignidade
Já, em qualquer idade
Dêem-me justiça e liberdade
Dêem-me asas
Pois quero alcançar meu próprio ímpeto 
A propósito, sou gente
Gente que têm fomes
Não tirem a lona do meu circo
Nem quebre meus ossos
Esse troço de me devolver o que é meu em mingalhas
No picadeiro
Não, não me negue o pão de todos os dias
Eu quero mais
Adoro ver a praça cheia de gente feliz
Conformadas, camaradas, com o que oferecem
De quando em vez ando quase despido
Descrente que sou desses espetáculos
Hoje têm palhaços na rua!
Nilson Ericeira