22 de fevereiro de 2024

Silêncio escondi-dor

Meu
silêncio não tem me confortado

Antes,
tivesse falado

Pois
de dores não deverias antecipado


vozes de que não me disponho

Outras
ressoam, encantam, encontro

Então
sigo silenciosamente tentando me escutar

Uma
vez que muitos, indiferentes

Outros
descrentes

É
que meu silêncio escode dor e saudade

Meu
sorriso disfarce, apenas

Enquanto
a minha dor amena, silencio

Ainda
bem que escuto a minha voz

E
nutro esperanças

Guardo
as melhores sementes

E,
assim, vivo a esconder a dor que deveras sinto

 Nilson Ericeira