22 de fevereiro de 2024

O que restou do amor

Não me
olhei e nem me firmei, nem seduzir

Meu
olhar compenetrado não te conquistou

Minha voz
calada não foi compreendida

E meu
ser tão merecido não te fez me olhar

Mas por isso
não deixei de te amar

Agora o
meu olhar distante vai muito além de mim

Sai a te
procurar todos os dias

No riso
e no olhar de outras pessoas

Nos
passos da minha imaginação,

vens ao
meu encontro

Mas meu
ser te procura por todos os lugares

Ainda
bem que restou em mim o amor que ficou

Muitas
coisas saíram de mim, outras foram para algum lugar

Eu, a
divagar, busco-te no meu silêncio e no que o meu coração me diz

Hoje
vivo de esperas e de criações

Nem
mesmo sei se estou nos lugares que idealizo

Mas de
uma coisa eu sei, em todos os cenários,

o teu
amor em mim

Em todos
os jardins, essências tuas

Pois o
aroma e as mensagens agora chegam

E
ficaram comigo em mais este dia que passou

A noite
chegou, te esconderei em mim

Do mesmo
modo que te olhei um dia

Que
percebi teu riso e sentir o teu encanto

Mas sei,
o meu amor não te seduziu

Ficou,
restou, disseminou…

 Nilson
Ericeira