22 de fevereiro de 2024

Estação de Arari

Aterrissei em solo firme

Antes o meu coração dividido

Agora parido de amor outra vez

Puseram-me no chão de Arari

Cheguei aqui dando asas à saudade adormecida

Mas saudoso também de uma banda de lá

Pois Lá deixei gente que Deus me deu para amar

Ainda assim, caminho…

Sei não ser único

Mesmo que de asas podadas

Sou livre e aqui não defino uma única estação

Pois sentimentos em ebulição no meu coração

Aqui bebo água da fonte

Defronte de mim eu comigo mesmo

Vejo-me como antes, correndo ruas…

Produzindo sonhos

Pois nada me custa sonhar outra vez

Então aqui viverei até a eternidade

Mesmo com mais idade sou jovem

Sinto-me passarinho com crias

Acho que tanta alegria de pisar em solo teu

Porém eu sei que alguns poucos não me andam suportando

Talvez por não ceder a vícios e coisas chulas

Importadas de outros lugares

Pois aqui se derrama amor

Aqui se ama, amam-se

No melhor verso, eu confesso:

Arari, Arari, eu te amo!

Nilson Ericeira