22 de fevereiro de 2024

Flor compadecida

Quando
o vento a tocou

Dissimulou
elegantemente

Quando
a chuva a molhou

Confundiu-nos
entre lágrimas

Quando
o sol a secou

Irrigou-se
no amor

Quando
o céu a cobriu

Serviu
a Deus

Referenciou
à natureza

Quando
o tempo passou

Renovou-se
no amor

E
quando tudo parecia destruído

Brotou
em novas folhas

Quando
alguém quis destruí-la

Camuflou,
disfarçou

Quando
alguém a espezinhou

Recolheu
espinhos

Exalou
essências puras

Propagou
o amor

Acolheu

E
quando o seu sangue derramou

Ungiu,
sorriu, espalhou-se

 

Nilson
Ericeira

Flor
compadecida

 

Quando
o vento a tocou

Dissimulou
elegantemente

Quando
a chuva a molhou

Confundiu-nos
entre lágrimas

Quando
o sol a secou

Irrigou-se
no amor

Quando
o céu a cobriu

Serviu
a Deus

Referenciou
à natureza

Quando
o tempo passou

Renovou-se
no amor

E
quando tudo parecia destruído

Brotou
em novas folhas

Quando
alguém quis destruí-la

Camuflou,
disfarçou

Quando
alguém a espezinhou

Recolheu
espinhos

Exalou
essências puras

Propagou
o amor

Acolheu

E
quando o seu sangue derramou

Ungiu,
sorriu, espalhou-se

   Nilson
Ericeira