24 de fevereiro de 2024

Arari, gotas de amor

Eu conto os minutos.


Eu conto meu canto da chegada.
Só pra te ver de novo nascer em mim.
As flores são deste lugar.
A essência é deste lugar.
A vida é deste lugar.
O bando que passa anunciando o inverno.
A banda tocando, a voz anunciando.
E quando voltam, inverno ou verão.
Estações, amor!
A vida se renovando, o algodão florando.
Os peixes desovando.
Iracema na piracema, esperando a vida acontecer.
Os caturros aporrinhando.
A água besliscando a barreira, já na meágua.
O amor reflorescendo.
A vida se indo, o findo.
O cura, a cura, o amor de Deus protegendo,
A gente né!
É deste lugar.
E lá vem água descendo e subindo rio.
Uma revolução de águas, mãe d’água.
Águas no cio.
É sinal de novas crias.
É a vida fazendo, amor acontecendo.
Minha chuva chovendo e caindo em mim.
E enchendo pessoas.
Eu recebo essas gotas, pingos de amor!
Minhas veias, regatos, riachos…
É Arari no seio do meu ser. 
É rio, os campos, os lagos, enfim.
No cio, esperando amor acontecer.
Outra vez, mais uma vez, tantas vezes.
Arari meu amor.

Nilson Ericeira