22 de fevereiro de 2024

A saudade de quem ama

Sinto
que meus dias nunca mais serão os mesmos

E nem
poderiam ser, vivo com olhos sedentos por olhar

Meu
coração sente, meu ser pede

Mas sei
que um pedido existe em mim, coisas do meu coração

Não há retratos,
não há histórias, não há risos, não há felicidade…

Não há
chão, o céu, apenas para eu conversar com as estrelas

Talvez
para carregar a ilusão de que naquelas luzes tão distantes,

Vocês!

Vocês
estão!

Cada um de seu jeito

A
irreverência e paciência, o satírico e o racional

Valores
unidos de irmãos

Mas eu
sei que nenhum sonho e projeção serão mais tão iguais

A
sensação de não ter mais vocês me parte o coração

Sinto
uma dor completa

Não há
um ponto de mim que não doa

Meu
peito dilacera e meu pedidos são em vão

Meus
ossos enfraquecem

Minha
visão é turva, sem vocês

E vocês!

Apenas
no meu coração, lá no fundo, bem guardados

Acreditem,
eu amor vocês

Hoje eu
vivo partido completamente

Todos os
dias junto os meus pedaços para seguir viagem

Mas o
silêncio da dor dói mais ou tão igual quanto a dor da solidão

Todos os
dias as lembranças me remetem a tantos sonhos

Muitos
desses sonhos vocês estavam comigo desde pequeninos

Traçamos
trilhas imaginárias, construímos cenários, torcemos muito uns pelos outros

Mas
vocês se foram e me deixaram a nadar em mim em maré corrente de saudade

Mas sou
tão pecador ao ponto de não permitir explicações

É que há
coisas que eu não consigo entender

Porém
sei que é normal para quem tanta dificuldade de entender o mundo

E, ainda
assim, vive a criar mundo e fazer cenários

De uma
coisa eu tenho certeza, a de que nunca deixarei de amá-los

 

Nilson
Ericeira