27 de fevereiro de 2024

Da última à primeira expressão

Senta aqui, eu quero te dizer do nosso amor

Do que passei, do que sofri, do que chorei

E quantas vezes eu te busquei

Mesmo embalando a solidão

Só cabe a ti no meu coração

É que só queria a tua companhia

Pegar nas minhas mãos

E aquele abraço da chegada!

A despedida na saída

E me dizendo ainda não vai…

E no amanhecer do novo dia

Ou no sou já findando…

No ocaso ou no amanhecer

E outras vezes está contigo

E te falar do meu amor

Eu queria só te abraçar mais uma vez

Te sentir e te acalantar como se fosse uma criança

E te fazer mais forte todos os dias

E da forma que nos ajeitamos

Te dizer que eu te amor pra sempre

E que ainda trago as sementes do nosso amor em mim

E que nunca descuidei do nosso jardim

E agora vejo que as flores já são frutos

Frutos do nosso amor que floresceu

Mas venha me dizes como estás

Com quem andas e muito mais

Faça-me crer que o nosso amor nunca morreu

Pois assim que cominamos

Em cada riso, os abraços que ficaram

Dentro de mim nada mudou

E a ti que eu sempre amei

Se eu fosse te dizer novas palavras

Desde a primeira e até última expressão

Eu deixaria o tempo fluir

E logo irias perceber que a ti que sempre amei

Nilson Ericeira