27 de fevereiro de 2024

Flor intoxicada

Silêncio,
pois

As
pessoas estão dormindo

O
tempo está passando

A
dor está doendo

O
mundo intoxicado

As
pessoas estão com pressa

O
amor está esvaindo

O
sonho, pesadelo

A
febre arde no corpo

Do
meu ser, meu próprio veneno

O
homem sucumbindo

As
pessoas se mal dizendo

A
guerra irascível

O
terror infalível

A
ganância incurável

Os
inocentes desfalecendo

De
orgulho nos apodrecendo


pessoas caminhando

Correndo
sem tempo

Todos
estamos com pressa

Não
há mais tempo

A
flor da vida murchou

Empalideceu,
sumiu, morreu!

   Nilson
Ericeira