24 de fevereiro de 2024

Flor do imaginário

 A ternura
e formosura da flor

Exala
amor tão completamente

Que nem
sente da dor que deveras sinto

Por
isso, não minto

É amor o
que deveras sinto

Por toda
essência dela em mim

Portanto,
sinto essências que vêm do jardim

Trata-se
de uma flor do imaginário

Da qual
monto o meu diário

E de
saudade aperta meu peito

Então
sigo, montando meus cenários

Mas
sempre sentido a presença dela em mim

Agora,
já pelas tantas dela me despeço

Pois levo
comigo até às tantas

Pois
sonâmbulo vivo

Só da
falta dela a padecer

Tomara
que antes da minha partida

Ela
venha me ver

 Nilson
Ericeira