22 de fevereiro de 2024

Novos voos de um colibri

Por
onde eu vou eu sei sempre você estará

Mesmo
que seja pra nenhum lugar

Pois
sei que tem a minha força de amar

Então
alcançarei o céu e o ar…

Então
outra vez eu te procuro em mim

E
não sei evitar

Pois
já tenho novas asas pra voar

E
quando essa saudade bate em mim

É
de dor, é de matar…

Quebra-me
os ossos, dá calar frios

Quase
não consigo suportar

Mas
eu procuro então disfarçar

Pra
só pra vê se doe bem menos

Ah,
o que fazer, se é desse amor de que me alimento todos os dias

Eu
sou o teu beija-flor a procura do teu néctar

Eu
queria pelos menos abraçá-la,

sentir
a essência que ficou no ar

Pois
igual um passarinho que quer voar e quer sentar

E
noutros dias, outros voos,

outras
manhãs e despedidas!

Mas
eu sei que tenho forças pra compreender o que o amor nos faz

Nos
faz pensar bem longe e lá do alto avistar o que reclama o coração

Por
isso sempre digo que em mim esse amor sempre vai existir

E
por mais que eu tente me negar não consigo disfarçar

Por
é amor e amor não se nega não

O
amor é mensagem pura que vem lá do coração

E
quando eu pensar em outra vez me despedir

Vou
viajar nas asas do meu colibri para outra vez me adocicar

Agora
eu vou sentar em mim só perceber que sou real

E
que vivo a sonhar e traçar novos voos

Mas
sei que o que não pode ser também não devemos alimentar

 Nilson
Ericeira