22 de fevereiro de 2024

O que a Política tem a ver com a nossa vida?

Penso que sem a Política
não teríamos harmonia social, pois os conflitos se
tronariam convulsões ou até
mesmo caos social.

Da mesma forma que compreendo
que temos que nos organizar politicamente, seja na escola, no trabalho, no
sindicato ou em quaisquer instâncias sociais. É evidente que todas essas
organizações podem ou não nos levarem à formação e participação no ditos Partidos
políticos. E, num país como o nosso, é permitido a todos que estejam em dias
com à Justiça Eleitoral, que participem do processo de escolha votando ou sendo
votados.  

Toda formação do Partido
passa por um protocolo contido na Constituição e em leis especiais. Além disso,
é necessário ser filiado a um deles para concorrer aos cargos do legislativo e
do executivo. No Brasil, é comum observar que alguns filiados mais parecem
donos dos Partidos, pois ditam as regras do jogo! Sentido em que as cartas, ou
melhor as figuras, já são todas marcadas, ao bel prazer da vontade de que detém
o Partido no Estado. Como poderia se dizer assim: um monopólio dos Partidos!

E imaginar que do preço de
tudo depende em primeira mão da Política que esteja em vigência no país, estado
e município. Para que se estabeleça um paralelo, o preço do feijão, do arroz,
da energia, da tarifa d’água, da sandália, da roupa… Tudo depende de ações
políticas. Quando chegamos a limites insuportáveis é porque, com toda a
certeza, a Política está mal conduzida. O resto é figura de retórica, conversa
para boi dormir.

Sei que falo de coisa
óbvias, porém não custa nada refletir sobre a importância da Política nas
nossas vidas e suas facetas.

É certo, do mesmo modo,
que decisões acertadas e a tempo, coíbem ou mesmo evitam muitos males. Pois
todas as contas da malversação do dinheiro público são pagas com o suor, com o
sangue, com a vida e com as lágrimas do nosso povo.

Escrevo para os que assim
como eu nada sabem e são sedentos por aprendizado e conhecimento. Pois os que
já sabem tudo não precisam, abastecidos que são nos seus próprios egos.