25 de fevereiro de 2024

O amor de um passageiro

Deveras
prometido amor para sempre

Antes
juraste amor para sempre

Ainda
que de tudo te abstiveste e por nada me deixaria

Hoje
conto os dias como quem deseja parar o tempo

Ou mesmo
que me desloque por alguns segundos em pensamentos meus

Mesmo
que olhe para o lado e não me veja, estou

Estou
para sempre nesse amor platônico

Mesmo
que só para passar a vida a dizer poesias que tirei de ti

Enquanto
passo sem segurar o tempo, velejo sem direção

Como um
marinheiro perdido em alto mar

À deriva
a procura de terra firme para ancorar

E eu que
de versos vivos, procuro analogias para chegar a ti

Mesmo
que para isso deixe ir só sem vela, sem leme, mas perto do teu coração

Mas sei
que não tenho barco e nem velas,

caminho
à deriva a procura desse amor que está em mim

 Nilson
Ericeira