22 de fevereiro de 2024

Devemos nos preparar para a melhor idade e não nos permitir ‘lições’ que não nos ajudam

Com o passar do tempo
envelhecemos. Com isso, não nos devemos permitir inutilidades e discriminações
de quaisquer ordens. A nossa estima pertence a nós, porém pode ser influenciada
ou mesmo afetada pelos outros.

Por vezes somos cercados
de pessoas que não nos ajudam e ainda nos empurram para baixo…

É possível evita-las? É necessário.

Não deveria ser comum, mas
em alguns momentos nos passa a ideia e até atitudes do que será quando ‘envelhecermos’.
Não somos mais úteis por assim dizer! Cada um de nós vai formando, à medida que
o tempo passa, o nosso próprio ciclo. Com os idosos a tendência é que muito
fatores e limitações cheguem, mas não podemos permitir inutilidades de maneira
nenhuma. Contexto em que devemos também evitar ‘ajudas’ e discursos e ideias
que nos limitam mais ainda, pois nos fazem tão mal que atingem o nosso
emocional.

No espelho da nossa
felicidade não há conta para as nossas rugas ou        quaisquer marcas que não sejam da dignidade, integridade, amor
e respeito ao próximo. É isso que nos faz mais belo e feliz todos os dias.
Viver é viver em plenitude, com defeitos e virtudes.

Discursos de quem não tem
apreço pelas pessoas no estado natural, no seu ciclo de vida ou em quaisquer
outras diferenças não nos ajudam em nada. De forma que, conforme nos preparamos
para tantas coisas na vida, devemos de igual modo agir na ‘melhor idade’, no
sentido de vivermos sempre buscando a felicidade. Pois o melhor de nós não está
na nossa aparência, mas na nossa capacidade de viver em grupos, respeitando uns
aos outros, cada um sendo diferente naquilo que lhe faz igual e diferente ao
mesmo tempo. A convivência é e será sempre uma descoberta de valores. Há
pessoas que não conhecemos mesmo vivendo com elas todos os dias e a há outras
tão especiais que consegue nos surpreender sempre com elevado índice de
humanismo e generosidade.

Pessoas especiais não são
qualificadas pela idade que têm, mas pelo amor que disseminam…

Desde modo, entendo que
não devemos respeitar aos mais velhos pelo simples sinal de mais idade, mas
porque é regra de educação, formação e civilidade, respeitarmos uns aos outros
não importando a diferença certamente existente. Portanto, não devemos, em
hipótese alguma, deixarmos de respeitar quem nos dispensou ensinamentos durante
a vida inteira. E, ainda, devemos sempre nos aproximar de quem pela própria
idade já passou por caminhos que ainda não passamos, por isso mesmo, em linha
reta ou em atalhos, terá sempre boas orientações a nos emprestar.