24 de fevereiro de 2024

O espetáculo!

Hoje
tem espetáculo

Amanhã,
talvez

Outras
vezes…

Gasto
a minha vida fazendo outros sorrirem

Dentro
de mim,

sorrio
de mim


o rio me leva para o mar…

E
na distância que devo andar

Talvez
me falte ar

Vivo
sendo um ‘palhaço’ fora do circo

O
meu picadeiro é a vida

Ainda
bem que sei fantasiar

E
não perco a esperança de amar

Sou
um ator, poeta, professor, artista

Sou
um malabarista sem graça

Por
vezes disfarço quando alguém acha graça

Mas
sei que o espetáculo ainda não terminou

Mesmo
em silêncio, escuto sons dentro de mim

Enquanto
afino o meu coração

Pinto
meu rosto, enxugo meus olhos

Secam
lágrimas em mim

Em
novas cenas e outras canções

Mas
do que gastei,

sei
que  ainda há muito pra consumir

Pois
a vida só termina quando acaba

E
o espetáculo já aponta pro fim…

Senhoras
e senhores,

eu
sou igualzinho o ‘palhaço’ que trago em mim

Nilson
Ericeira