22 de fevereiro de 2024

A saudade de meu pai

Hoje
se sair, vou te procurar no sol

Deixar
refletir em mim

A
tua imagem e o teu amor

Hoje
se a chuva chegar

Vou
me deixar molhar

Até
que saudade cesse lá no meu coração

E
se vou madrugar, vou contigo

Por
aí pescar, ‘sapateirar’, amar…

E
se for para navegar, irei contigo a remar

Hoje
se lua vier, tenho fé vou me iluminar

Se
a Estrela Dalva brilhar

Você
pronto para ir…

E
pega cõfo, e pega linha, e pega o fio…

E
no lago tarrafear

E
aos poucos me molhar

Doer
de frio até nos nervos…

Com
água doce sem inveja da do mar

E
se o dia em pré-amar

Eu
sinto o verniz do engraxate

O
‘buliarei’ botinas, chuteiras, rezinas

Agulha
grossa e agulha fina

Mas
se a saudade imensa não cessar

Eu
sei que jamais passará

Pois
é do amor que eu sinto por ti que se faz ecoar

Em
mim, assim, feito o nosso rio que corre pro mar

    Nilson
Ericeira