27 de fevereiro de 2024

Um paradoxo

Vigio
a vida

Mas
nem sempre seguro

Seguro
o tempo

Mas
ele evapora

Tranco
o amor

Mas
ele tem asas…

Desejo
abraços

Mas
os braços distantes

Procuro
a saudade

Mas
ela sufoca

Navego
em águas profundas

Mas
não tenho embarcações

Eu
quero justiça

Mas
não componho uma lide

Desejo
a igualdade do mandamento

Mas
há insubordinação

Eu
quero ser rio

Mas
ele dá no mar

Eu
tenho o nexo

Você
o conexo

Por
isso eu vou por aí

Busco
as letras para compor

O
mais sublime em mim é o teu

Amor

 Nilson
Ericeira