20 de fevereiro de 2024

Dizem que as aparências enganam ou vivemos a produzir imagens distorcidas!

Vê-se
costumeiramente algumas pessoas com excesso de zelo com os outros na frente dos
outros. É preciso então demonstrar que se vive bem. Mas nem sempre este é o
tratamento costumeiro, por vezes uma relação efetivamente conturbada.


pessoas que vivem bem e por isto demonstram como vivem, sem, contudo
aparentarem. Isto também é verdade.

Não
deveríamos ser movidos pelas convenções. Pois por vezes falham e não
representam de todo o modo a realidade.

Toda
e qualquer relação de amizade, trabalho e principalmente em alusão ao amor deve
ser recíproca, sem estéticas. Nisto presume-se que as pessoas se conheçam e se
respeitem com as suas diferenças. Neste sentido, percebe-se ainda que algumas delas,
ao querem agradar os outros, aparentando boas relações, no fundo não são felizes,
pois refletem uma imagem invertida de si próprias.

Ressalto
em redundância minha de que não escrevo como quem sabe, mas como quem se
aproveita da impressão dos outros e minhas mesmas. E é óbvio que há boa margem
para erros, contudo sei que algo sempre será aproveitado num tecido extraído da
nossa própria existência.

É
verdade que as pessoas mudam e que não nos custa observar tais mudanças, porém
existem às que não se permitem. E o reflexo está bem posto para o mundo
exterior.

Preservar-se
é, antes de qualquer coisa, conhecer-se e também até onde vão as nossas limitações.