20 de fevereiro de 2024

Ondas de néscio

 Hoje
eu parei para revolver algumas coisas

Algumas
delas estão em mim

Fazem
parte da minha conjuntura

Outras,
indexam a outras pessoas

Por
isso, questiono-me

Talvez
seria bem melhor não bulir

E
ficar inerte como se mundo não girasse

As
pessoas não sentissem

E
todos consentíssemos as coisas como estão

Então,
hei de me revolver, revolucionar meu ser

Depois
e devolver tais deglutições

É
que hoje em dia me parece que já sabemos tudo

Para
tudo temos uma solução e nem sempre a mesma para mesmos casos

Somos
uns tecedores de teses e opiniões

Creio
que nem sabemos do que falamos

Ainda
assim, certificamos

Autorizamos
nossas falas em nome de um ser Superior

E
compomos células abençoadas

Mas
uma coisa é certa, não estamos dividindo ou aproveitando o nosso tempo

Vivemos
viajando em ondas

Somos
uns ilusionistas e vendedores de sonhos

Amanhecemos
da mesma forma que anoitecemos

Parados,
estáticos, vazios

Algo
me diz que nem nos olhamos

Quando
nos damos conta já passou…

De
tão sábios e espertos, perdemos e ganhamos no grito

Ainda
bem que ainda temos alguns segundos

 Nilson
Ericeira