22 de fevereiro de 2024

O esconderijo ou diva-gação poética

Hoje
eu meu peguei mais uma vez pensando em ti

Eu
olhei para mim mesmo para ver seu te encontrava

E
logo percebi que moras é no meu coração

Pois
só pode ser amor o que vêm todos os dias em sublimação

É
amor eu sei, pois nunca sentir antes algo assim

E
continuei o meu olhar sobre as plantas no nosso jardim

Olhei
para o seu e vir estrelas

Ao
olhar o chão, eu te vir em forma de sementinhas pedindo para nascer

Mas
eu posso crer que moras mesmo é no meu coração

Pois
nunca sentir algo assim, que de tão especial, mora em mim

E
assim, continuei uma procura quase em vão

É
que o meu ser sempre pediu para te buscar dentro mim

E,
então, cheguei à conclusão que mesmo é no meu coração

Ainda
assim, quando saio de mim, podes crê que é para te buscar além do infinito

Nas
constelações ou no que não é descrito

Ou
até em todas as estações

Agora
mesmo, parto para mais uma aventura e, se por ventura,

sentires
falta de mim

É
porque eu estou te procurando na essência das flores do nosso jardim

Ainda
assim eu tenho certeza que estás mesmo
é no meu coração

 Nilson
Ericeira