27 de fevereiro de 2024

Flor de vida

 Hoje o
que há em mim é só saudade

Saudade
de doer até nos meus ossos

Saudade
de quem te ama e te amará para sempre

Saudade
de quem chama

É que há
uma chama acessa em mim

Ah você
quanto amor e saudade

Ah você
minha menina

Nosso
amor

Que
tanto nos ensinou

Permitiu-me
ser bruto e manso sem nunca reclamar

De tudo
se admirava em mim

Como se
eu fosse o máximo em tudo que fazia

Agora, sem
ti na minha vida eu sempre vou te procurar

Ah você
onde está

Como eu
não sei uns porquês desta vida

Vou
seguindo tentando te encontrar

Mas sei
o teu lugar

Alguém
que ensina, ensinou, não pode deixar de amar

E assim
eu vou seguindo e sentido a tua falta

Igual
àquelas manhãs na nossa casa

Pois
muito menina ainda, já era uma mulher

Uma
mulher que semeou e colheu

Prometeu
e realizou

Fez-se
em sementes e se alastrou…

Por isso
que eu vou resignando nestes dias de alagamento

Em que
me enxugo e deixo fluir em mim lições de vida

Sei que
sabes que as minhas lágrimas são correntes de amor

E em
tudo que eu realizar, a tua essência

Flor da
vida, nosso amor

 Nilson
Ericeira