20 de fevereiro de 2024

Louvação à terra amada

Louvação à terra amada

Minha gleba muito amada

Arari terra amada

Idolatrada, salve, salve!

Feliz é o povo que em ti nasceu

Saciado quem de tua água bebe e bebeu

Honrado é quem preza teu nome e tua historia

Arari, salve a tua gente

Salve a vida de quem de ti brota

Pois feliz é gente que de ti deriva

Oh minha gleba amada

Arari, meu amor!

Não permita Deus que eu morra sem que volte a ti

Embora de ti nunca me tenha saído

Pois parido de ti

E os meus dias e noites são cenários de ti

Das tuas entranhas vim

E delas quero retornar

Pois nunca me desfaço do teu amor

Oh torrão querido,

és o insumo da minha vida

E alimento do meu coração

Arari minha terra amada e paixão

O que toca em mim é amor por teu torrão

Altiva gente de Arari,

não nos ‘igualeis’

Por deturpações hediondas de quem só te sangra

E, assim, vivem a beber o sangue do teu povo

Levando até o último,

Sem piedade e compaixão

Nilson Ericeira