22 de fevereiro de 2024

O insumo de uma flor

De quem será a saudade que alaga os meus olhos

e umedece meu coração

De quem será o que provém e se renova amor no meu peito

De quem será a vida do amor que se espalha em mim

Pois igual a peixes em parição

Em proativa piracemas…

E esse amor que me toma desse jeito

Por que será que alimento esse amor dentro de mim

Que se parece com essências das flores vindas do nosso jardim

Por que será então que gosto de sentir esta saudade em mim

Pois é do amor que alaga o meu peito,

umedece os meus olhos e toma conta do meu ser

É ar e insumo que preciso para viver

Nilson Ericeira