20 de fevereiro de 2024

Quando perdemos ‘amigos’, o que fazer?

Lançarei
mão do termo amizade e/ou amigos para ilustrar e dá vida a nosso texto. Uma vez
que nem tudo que parece é.
  Por vezes
temos relações que aparentam serem fortes, honestas e fieis, mas não sempre os
são.

E
viver de aparência não faz bem para ninguém. É como se houvesse um manto
permeável cobrindo nosso ser.


perdi ‘bons amigos’, alguns dele sinto falta. E não perdi pelo fato de terem
partido eternamente, mas também em ocasiões em que saíram da minha vida para
sempre. Ainda reconheço a importância deles em fases da minha vida. Mas que bom
que esta não é uma situação só minha e não deve ser a regra geral de
convivências.

Num
determinado tempo, assimilei que não poderia conviver com algumas pessoas que
apresentavam soluções para os meus problemas, mas me empurrando para abaixo. Como
uma relação pode ser tão boa que você se sente mal com o receituário!

Digo
que senti falta de alguém e reconhecê-lo no seu mundo não é fazer questão.

Parece
paradoxal, porém há pessoas que ao se aproximarem de nós nos desanimam.

Sem
ódio e também sem medo, sigo a minha vida de simplicidade e pouco saber, não
apenas por preferir assim, mas pelo meu próprio estado conjuntural orgânico e
condições de vida.

Penso
que nestas malhas, não cabem chavões tipo: ‘quem deixa de ser amigo nunca fora’,
pois, refiro-me ao fato de, no pretérito, termos tido amigos que não souberam
ou não queriam manter o que aparentemente se parecia tão agradável.

Certas
vezes, esta separação é necessária para que você passe a acreditar em você
mesmo!