24 de fevereiro de 2024

A saudade de nós

Hoje um
silêncio ou um vazio me invadiu

Nem bem
chegou, despediu-se

Uns nós
que crescem na garganta e minam meus olhos

Acho que
é saudade de nós

É que
constantemente entra em mim a saudade de nós

Por
isso, um sol chegou,

outro
ficou,

e um
outro já em despedida!

Eu, por
acaso, no ocaso e a sós

Ah que
vazios eu sinto de nós

É uma
saudade que enche e derrama,

esparrama
no meu ser…

Mas
ainda bem que eu trago sementes que me ajudam a viver

Quem me
dera ter você outra vez!

Assim,
não viveria no ocaso e, por acaso, deteria a tua voz

Agora
com o meu sol já em despedida, aperta-me a saudade

E
novamente sentenciado a me dá uns nós

É que
sinto saudade de nós

 Nilson
Ericeira